Memórias de quando eu aprendi a ler

A professora ensinou um método segundo o qual para ler uma sílaba, por exemplo, to, dizíamos rápido o nome das duas letras, cada vez mais rápido, tê ó tê ó t-ó tó, até acharmos o som correto da sílaba.

Até hoje não sei se esse é o “método fônico”. Não me lembro jamais de ter que decorar uma tabela de pares de letras e sons resultantes (“b com a, bá; bê com é, bé” etc.).

Outra memória que eu tenho é de que essa técnica de falar as letras rápido foi fundamental para eu ter certeza de que sabia ler e estava lendo, mas de alguma eu já sabia ler antes de aprender a técnica, porque eu era capaz de, por exemplo, saber antes de qualquer coisa que ca era uma exceção à regra. Mesmo assim eu me lembro de passar muitas horas repetindo letras e confirmando que a técnica funcionava.